16 de dezembro de 2016

[Resenha] A verdadeira morte


A VERDADEIRA MORTE
Autor: Rennan Andrade
Editora: Amazon
Páginas: 123
Ano: 2016

Sinopse: A força, a coragem, a indiferença, o sangue frio, o amor...Nada disso pode enfrentar o poder da morte. Ela chega quando quer, quase sempre sem ser convidada, e a cicatriz que ela deixa desde de a primeira vez em que perdemos alguém é justamente para nos lembrarmos o quanto dói passar por algo assim, e também para nos fazer lembrar que nada dura para sempre, e que sempre chegará o momento em que alguém estará velho ou cansado demais para pisar seus pés na terra. Esse momento, porém, sempre pode ser adiantado por qualquer uma das pessoas ao seu redor, comprometendo a sua vida e de todos que te amam.Só que o que acontece quando a morte começa a ser um estado além do oposto da vida?Quando você começa a andar por aí, ainda respirando, mas tão perto da morte que você é capaz de senti-la? Será que ela é apenas aquilo que estamos acostumados a saber dela? Eis a dica.




Com grande habilidade para lidar de forma simples com assuntos fortes, complexos e polêmicos, nesta obra Rennan nos traz contos que relatam o dia-a-dia das pessoas, dúvidas e problemas corriqueiros que costumam afligir a todos.

Suicídio, depressão, bullying, alcoolismo, a morte que chega sem pedir licença... E, como não poderia deixar de ser, a forma com que cada um enfrenta tudo isso, a relação interrompida repentina e definitivamente que, às vezes era de amizade, outras de carinho, amor... Em qualquer que seja o contexto, lidar com a morte é sempre muito difícil!


"Beijar aqueles que sempre quisemos beijar, e ser aquele que nunca conseguimos ser. Seja por medo de nos perdemos ou por vergonha de que nos achem de verdade, no fim seria importante ter falado o que nunca falamos, já que nunca poderemos falar mais nada."


Com narração em primeira pessoa em todos os contos, o autor nos faz compreender os detalhes da vida e da personalidade de cada um dos personagens, bem como a reação de cada um deles ao saber/ver/sentir a morte de perto.


"Contanto que estejamos no controle, nada pode nos impedir de sermos felizes. Nada. Sempre podemos tomar uma nova atitude com relação a si mesmo, e é preciso lutar hoje para não ter que sangrar amanhã."


Li o e-book e, por isso, não posso opinar sobre detalhes físicos. Encontrei alguns poucos erros de escrita/edição que não interferiram no entendimento geral e imagino que tenham sido corrigidos para o lançamento do livro.

E quando a morte parece estar chegando para você? O que fazer quando você sente se esvaírem todas as suas forças? Quando, mesmo vivo, não passa de um "morto" atropelando cada um de seus minutos diários, pois não consegue atravessar o tempo com plenitude e felicidade?

Apesar de tratar diretamente sobre o assunto "morte", não é um livro de terror, nem sombrio, macabro, etc... Rennan conseguiu uma abordagem bastante cotidiana, de maneira que o leitor consegue entender com bastante naturalidade.

São várias as lições que aprendi nesse livro e o que pude sentir que o autor quis nos passar foi que a verdadeira morte, muitas vezes, é a de quem fica e não a de quem morre!


"Sabia que estava sendo dramática, mas amar é pedir para fazer drama. Pode ser um amor platônico, um amor passageiro, um amor que não levará a nada, mas sentir aquilo não era normal."


Indico o livro a quem gosta de um bom drama, de histórias do dia-a-dia e que trazem grandes lições.


Para adquirir:


10 comentários:

  1. Esse não é o tipo de livro que me atrai, mas pela sua resenha senti vontade de ler!

    estanteclassica.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Também não é um tema em que me aventuro com frequência, mas valeu a pena a leitura! Abraço!

      Excluir
  2. Adoro livros de contos, e adorei o tema "morte". Deve ser uma leitura bem reflexiva por conta disto, não é? Ainda mais por englobar outros temas como bullying, suicídio e tal. Não conhecia a obra, mas já vou colocar nos desejados. Adorei sua resenha!
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada! Sim, acho que super vale a pena dar uma chance! Depois da leitura, comente conosco o que achou! Abraço!

      Excluir
  3. Acho muito real essa colocação de que às vezes a morte é a de quem fica e não a de quem morre... Quantas vezes não vemos as pessoas perderem toda e qualquer vontade de viver por terem perdido alguém? Mas mesmo tendo achado o tema interessante, não fiquei com vontade de ler por não ser fã de contos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é... foi exatamente essa a reflexão que ficou! A vida, para quem fica, às vezes é pior do que morrer. A pessoa não consegue mesmo lidar com a perda, em fim... os contos nos estimulam a pensar nisso. Abraço!

      Excluir
  4. Olá Karla!
    Apesar de gostar muito de livros de contos, o tema da morte não me atraiu para a leitura. ainda assim, é bom saber que o autor conseguiu tratar de outros temas complexos que atingem muitas pessoas na atualidade através do dia-a-dia e que você aprendeu muitas lições com esse livro.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é... é um tema que normalmente não funciona para mim, mas da forma colocada pelo autor ficou bem interessante! Abraço!

      Excluir
  5. Oi Karla, sua linda, tudo bem?
    Esse assunto é tão difícil sob todos os ângulos que consigo imaginar. É difícil para quem descobre que irá morrer e para quem ama aquele que está morrendo. Como enfrentar? Como superar? Como seguir em frente? Tenho certeza de que iria me emocionar muito. Pena que é livro digital e de contos. Mas vou anotar a dica para indicar, pois gostei muito. Sua resenha ficou ótima!!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Olá Karla! Olha... lidar com a morte é uma coisa um tanto complicada, embora saibamos que faz parte do ciclo da vida dar de cara com ela em algum momento. Eu não leria um livro que fale sobre isso, ainda mais pq sou mt fácil de ficar impressionada e com certeza teria pesadelos por dias... rsrs
    Mas sua resenha está mt legal e o que me chamou a atenção foi a parte do "Contanto que estejamos no controle, nada pode nos impedir de sermos felizes." Qtas vezes nos esquecemos disso? Talvez esse "esquecer" seja a porta para a depressão, suicídio e afins que se trata no livro...
    Bjks!

    www.mundinhodahanna.blogspot.com

    ResponderExcluir

© Pacote Literário ♥ 2016 - Todos os direitos reservados. Personalizado por: Taty Salazar || Tecnologia do Blogger. imagem-logo