30 de maio de 2017

[Resenha] Filhos do Silêncio


FILHOS DO SILÊNCIO
Autora: Elisa Marina
Editora: Lampejos
Ano: 2015
Páginas: 159


Sinopse: Filhos do Silêncio é um romance auto-ficção que conta a história de Natália, uma profissional bem sucedida, com quase 40 anos de idade, e um histórico afetivo de relações amorosas e frustradas. Sonhadora, cultiva o desejo da maternidade a cada início de namoro; que é interrompido a cada fim.
E após mais um fim de relacionamento, repensa sua vida e resolve deixar para trás a objetivo apenas na sua realização profissional. Recuperada e feliz, na noite que parecia ser o início de uma nova vida, o seu maior desejo é realizado da forma mais cruel que uma mulher possa imaginar. Vítima de estupro, seu sonho transforma-se no seu maior pesadelo. A partir daí, vê-se diante de uma difícil escolha: gerar ou não uma criança indesejada?
Filhos do Silêncio faz uma análise do papel da mulher na sociedade contemporânea. Analisa a busca excessiva pela maternidade, quando questiona se, de fato, este é um desejo genuíno da mulher ou apenas uma inconsciente necessidade de satisfazer aos apelos sociais. O livro ainda aborda se o caminho para a felicidade tem que passar pelo matrimônio.



Olá, pessoal!

Hoje venho contar a vocês um pouquinho do que senti com a leitura de "Os filhos do silêncio", livro da Editora Penalux, selo Lampejos.


O livro de Elisa Marina é forte, pesado, extremamente real e, em alguns pontos, causa um aperto no estômago.

Conforme se pode perceber na leitura da sinopse, o livro trata da história de Natália, publicitária e cheia de sonhos, da qual o aniversário de 40 anos se aproxima.

Com os 40 anos, estão chegando para Natália, segundo a sociedade, o fim do seu prazo para se casar e também para ter filhos. Quanto a esse último, seu médico também concorda, o que a deixa ainda mais desesperada.

Natália nos conta, com muita sinceridade, os detalhes de suas relações e de suas frustrações nas várias tentativas de um relacionamento sério, que possa culminar em casamento.

Também fala muito bem sobre as cobranças da sociedade e, ao parar para pensar, vejo que as pessoas amam criticar e cobrar, não importa o motivo.

Se a moça não tem namorado, o exigem. Se namora, cobram logo o casamento. Depois, ficam ávidos pela gravidez. Quando se tem um filho, pedem logo outro e, após o segundo, perguntam se não se quer mais um. O mesmo se dá em relação a estudos, carteira de habilitação, mudança de emprego e aprovação em concurso, somente para citar alguns exemplos do que a mulher enfrenta diariamente!

"Ser exceção à regra incomoda muitas pessoas. Você tem que casar. Você tem que ter filhos. Você tem que ter mais de um filho. Estes filhos tem que lhe dar netos."

Narrado em primeira pessoa pela personagem principal, o livro nos traz, além dos acontecimentos da vida de Natália, seus sentimentos e pensamentos, o que achei bem interessante, pois assim o contexto fica ainda mais claro para o leitor.

Sem sucesso em outros relacionamentos amorosos, finalmente Natália encontra um parceiro com quem pretende dividir sua vida. Mas também com esse se decepciona de forma muito trágica, pois descobre a traição logo com uma das pessoas a quem mais ajudou.

"Vivemos uma inquietude egoísta em que as pessoas não querem mais escutar as razões pelos erros dos outros. Um atraso de trinta minutos é considerado falta de comprometimento. E fim."

Após lenta recuperação desse ocorrido, Natália descobre um problema de saúde que, para ser solucionado, lhe deixa com pouquíssimas chances de engravidar.

Quando finalmente o leitor enxerga uma luz no fim do túnel para a vida de Natália, um estupro o surpreende e joga por terra todas as ilusões dela.

Como se pode imaginar, nossa personagem principal está tão destroçada que muda completamente a sua vida, perde não apenas a sua capacidade de decisão sobre o sexo naquele momento, mas seu emprego, seu apartamento e tudo o que fazia parte de seu dia-a-dia até aquela data.

Mas o pior ainda estava por vir: de modo bastante lento e com uma narrativa forte, densa, mas extremamente real, Natália nos conta que aquele estupro lhe gerou um filho.

Agora aquele filho, antes tão desejado, surge de forma bastante repugnante em sua vida e ela não sabe como deve agir; o que gera uma contradição de sentimentos e pensamentos nela e no leitor.

As discussões sobre a culpa da mulher no estupro, o sentimento de tê-lo provocado e se o merecia estão presentes em cada página após o ocorrido.

Achei de extrema importância a abordagem da autora, pois temos tido os mesmos discursos em nossa sociedade, já que a culpa por ser assediada, estuprada, violentada - e muitas vezes morta - sempre recai no ombro da mulher, o que considero um absurdo!

"Cris sentia dor pior. A dor da mãe que sofre ao ver o sofrimento do filho. A mãe que sofre por sentir-se impotente e nada poder fazer. Sofrer por um filho faz parte do ser mãe."


A edição tem uma linda capa que, assim como o título, revela um pouco do conteúdo do livro. As folhas são amareladas e a fonte é pequena, mas confortável à leitura. Encontrei pouquíssimos erros, mas não comprometeram o entendimento.

Gostei bastante da história do livro, das discussões que ele provoca e recomendo aos fãs de dramas fortes, com temas polêmicos e bem escritos!

Clique aqui e adicione Filhos do Silêncio no Skoob


13 comentários:

  1. Olá
    Eu ainda não tinha visto nada a respeito desse livro, se ouvi não me lembro rsrs, mas pela sua resenha vejo que o livro é bem interessante, mas não faz bem o meu estilo ode leitura. Passarei a sua dica de hoje. Até mais ver
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Oie! Tudo bem?

    Não faz muito o meu estilo de leitura esse livro, mas me deparei com uma situação que você citou na resenha que acontece bastante comigo, sempre que cito que não quero filhos e que não gosto de crianças as pessoas me olham de cara feia e dizem que vou mudar de ideia quando for mais velha, dai eu fico tipo? Oi!? Se eu não gosto agora, porque eu vou gostar depois!? E porque você simplesmente não pode aceitar que não quero!? É como você falou, a sociedade cobra, mas sem realmente ter um porque é sem fundamento a maioria das cobranças!

    Bjss

    ResponderExcluir
  3. Oi, Karla.
    Gostei bastante da sua resenha, mas logo de cara percebi que não é um livro para mim.
    Já lido com coisas assim no trabalho e não pretendo levar isso para meus momentos de lazer!
    Beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
  4. Olá! É um livro com temas fortes e atuais, sobre o papel da mulher na sociedade ou se preferir o papel que a sociedade quer conformar o "ser mulher". No momento, não seria um livro para mim, mas fico feliz em saber que a autora usou a ficção (com muitos alicerces na realidade) para abordar temas complexos e doloridos - espero que isso leve a discussões produtivas. Abraços!

    ResponderExcluir
  5. Não conhecia a autora e achei super forte o tema abordado! Fiquei curiosa pela leitura, pois realmente gosto desse tipo de história forte, com temas polêmicos como aborto, estupro e outros detalhes que você mencionou.
    Bj

    ResponderExcluir
  6. Oie!
    Nossa, que livro emocionante! E ainda com um tema bem atual e intenso!
    Eu ainda não conhecia o livro, mas achei bem interessante esse livro, com certeza vou ler esse exemplar, fiquei bem curiosa para conferir.
    Bjks!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  7. Eu não consigo realizar a leitura dese tipo de livro, acho um tema muito forte (o estupro) e ainda mais por ter uma criança envolvida nisso, que não tem culpa de nada. A narrativa me pareceu ser cansativa no começo mas depois quando as coisas vão acontecendo parece que fica mais intensa. Enfim, parece ser um bom livro mas que eu não tenho estômago para ler.

    ResponderExcluir
  8. Oi, Karla
    Parece que a abordagem desse livro é bem forte, e gostei do tema que é trabalhado. Confesso que a princípio pela capa ele não em interessaria, mas diante da dica, acho que leria.

    Livros, vamos devorá-los

    ResponderExcluir
  9. Olá,

    Só por essa premissa da para sentir o quanto essa leitura vai ser boa para refletir, gosto muito quando livros falam da pressão, que infelizmente ainda existe, que a sociedade impõem nas mulheres. Estou curiosa para saber como a protagonista lidará com isso, pois não é fácil ou algo agradável. Não conhecia o livro, mas já anotarei a dica para logo, logo.

    ResponderExcluir
  10. Oi Karla,
    Gosto de livros com essas abordagem forte e com esse tema então, apesar de não achar que leria ele com o intuído de leitura por lazer e sim mesmo para adquirir conhecimento.
    Com certeza essa em uma leitura que precisarei fazer em pequenas doses devido a intensidade do tema.
    Isso de auto-ficção me deixou mas curiosa ainda.

    Bj,
    Garotas de Papel

    ResponderExcluir
  11. Oi!
    Confesso que quando vi a capa pensei em descartar a dica na hora, pois me remeteu a histórias mirabolantes que não me agradam, mas depois que li a sinopse fiquei boquiaberta com o assunto que o livro aborda e totalmente interessada na leitura. Todos os temas abordados são bem pesados e revelantes, bom saber que ainda há autores que os abordam.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  12. Acho que a abordagem é muito pertinente e precisa estar cada vez mais presente nos livros. Adorei a dica e quer ler o mais rápido possível.
    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Olá.
    Genteeeee que livro pesado. Não tinha ouvido falar dele ainda.
    Achei mega interessante a premissa, realmente as cobranças da sociedade é algo que judeia do ser humano. Adorei a resenha, dica anotada com toda certeza.

    ResponderExcluir

© Pacote Literário ♥ 2016 - Todos os direitos reservados. Personalizado por: Taty Salazar || Tecnologia do Blogger. imagem-logo